quinta-feira, 2 de junho de 2011

Homossexualidade

     É comum ouvir pessoas dizendo que o mundo está muito moderno, pois a aceitação da homossexualidade está crescendo significativamente conforme o tempo passa. Irônico ligar essa aceitação a modernidade quando lembramos que sociedades antigas aceitavam as relações entre pessoas do mesmo sexo com naturalidade. Então, não é uma questão de modernidade, é uma questão de cultura.
     Focando na cultura grega, é errado dizer que o homossexualismo era aceito diante da sociedade. Calma, não estou entrando em contradição. Os gregos não tinham noção do que era homossexualismo, por isso eles não podiam se opor ou aceitar. Sabe-se que a mulher era considerada inferior em comparação ao homem servindo apenas para procriar, então, era melhor um homem manter relações com pessoas superiores (outros homens) do que inferiores (mulheres). Resumindo, o homem tinha liberdade de se relacionar com uma pessoa independente do sexo tornando desnecessário termos como homossexuais e heterossexuais.
     Se antes era considerado normal/natural relacionamento entre pessoas do mesmo sexo, por que hoje há tanto preconceito? 
     Novamente, a resposta está na cultura. Com o passar dos séculos, a religião católica surgiu, cresceu e alterou muito a cultura por onde passava. A religião católica considera pecado o sexo por prazer, tanto para relações homossexuais, quanto para heterossexuais. Apartir deste ponto da história o homossexualismo ficou cada vez mais imoral diante da sociedade. Mais uma vez o tempo passou e hoje a igreja não exerce uma influência tão grande quanto no passado. Claro que ela ainda exerce muita influencia, é só lembrarmos da última eleição para presidente para comprovarmos. O que está ocorrendo na atualidade é uma alteração significativa na cultura nesse quesito, por esse motivo vemos tantos adultos estranhando o quanto o homossexualismo está sendo tratado com maior naturalidade na mídia e na sociedade e, muitas vezes, culpam essa mudança a modernidade.
     Não quero entrar aqui no que cada religião pensa, mas quero debater um pouco sobre a homofobia. Embora eu tenha apenas 19 anos, consigo ver o quanto o homossexualismo está ganhando força nas últimas décadas. A Parada do Orgulho Gay, casais gays sendo retratados com respeito nas mídias, muitas e muitas pessoas assumindo sua homossexualidade é, na minha opinião, uma grande evolução na sociedade. Porém, o aparecimento de atitudes homofóbicas também estão crescendo. Entendo que é difícil para algumas pessoas que foram criadas e educadas para não aceitar nenhum tipo de relacionamento homossexual começar agora a respeitar e lidar com naturalidade o assunto, porém, atitudes homofóbicas são inaceitáveis independente da causa. É inaceitável que uma pessoa sofra preconceito por causa da opção sexual!
      Na teoria, muitos aceitam e concordam, até porque a cultura brasileira é caracterizada por um preconceito não manifestado, não assumido. Agora vamos aproximar todo esse debate na sua vida. Você contrataria um gay assumido para trabalhar na sua empresa? Você aceita que a sua filha de 15 anos tenha uma melhor amiga lésbica? Você conversa com o seu vizinho normalmente mesmo sabendo que ele tem um namorado? Você manteria amizade com um amigo gay mesmo que a sociedade achasse que, por isso, você também é gay? Você defenderia a liberdade da escolha sexual de qualquer pessoa em uma conversa entre amigos? Você aceitaria seu filho se ele falasse que é gay? Se coloque nessas situações e pense com sinceridade em qual atitude você tomaria. Veja se você possui preconceito e reflita sobre tal. Pense no direito das outras pessoas de viver o que querem e respeite isso. Evite pensamentos homofóbicos, evite diferenciar uma pessoa por causa de uma caracteristica. Tenha respeito. Independente da pessoa do seu lado ser homossexual, negra, albina, deficiente física... Tenha respeito.


5 comentários:

Apaixonados disse...

Excelente texto!

Realmente achei a sua abordagem histórica um ótimo argumento! Não se baseia em questões de modernidade, mas de cultura.

Eu gosto da sua visão sobre o tema.

É um texto que te mostra um outro lado, sem parcialidades. E no fim põe-te pra pensar: eu tenho preconceitos?

Muito bom! ^^

Tom

Dona Lô disse...

Delícia mesmo é ver que o texto foi concebido por uma cabecinha de 19 aninhos! Com tantos jovens acéfalos por aí, isso é uma pérola!

Sybylla disse...

Ótimo texto, Thai!

Mas acredito que o preconceito tenha se originado no judaísmo e daí passado para o cristianismo pelo Velho Testamento. O catoliscimo é um movimento posterior. Tanto que João Paulo II foi mais flexível quando falou do prazer sexual entre homem e mulher dentro do casamento.

O que não muda é a visão mundana que muitas religiões fazem ao sexo, e dependendo de como o sexo é mostrado eu também não acho saudável, e como as uniões homoafetivas são tratadas como coisa errada, vil e leviana. A discussão não pode parar, pois a questão não é se fulano é hetero ou homo, e sim que diante do Estado de direito somos todos iguais e a lei tem que garantir isso.

Abraço!

Atena disse...

Thai:
Parabéns pelo post.
Eu ando enfezada com esses homofóbicos. É muita ignorância e preconceito! E o pior foi o projeto de lei burra que tentaram passar no Congresso. Até inconstitucionalidades contém. Em vez de ajudar os gays, o PL piorou a situação deles.
Na agressividade da bancada evangélica nem vou falar porque este blog é permitido para menores. rsrs
Agora, vou fazer um reparo, homossexualismo não é uma opção sexual (talvez em pouquíssimos casos). Via de regra já nascemos hetero ou homossexuais e mais adiante isso vai se manifestar.
Meus cumprimentos por essa cabecinha tão boa.
beijos

Mari disse...

Parabéns pelo post, mostra lucidez e proporciona um ótimo passeio pela História.

Ah, aproveitando o espaço..

Recebi uma proposta de blogagem do Christian, do Escritos Lisérgicos, e passo adiante, para quem quiser participar:

http://devaneiosedesvarios.blogspot.com/2011/06/desafio.html

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Clavedelua. Tecnologia do Blogger.